terça-feira, 26 de abril de 2016

Sobre a "primeira dama do turismo"

Sobre a "primeira dama do turismo" revoltada com o repúdio popular, dizendo que é "falta de ética" e que não cometeu nenhuma "ilegalidade":
Ética. Você fica usando essa palavra, eu não acho que significa o que você acha que significa.

Não sabe do que se trata? Não perdeu nada, mas se quiser ver, acesse aqui: http://brasiliadoc.portalvox.com/executivo/2016/04/mulher-do-novo-ministro-do-turismo-diz-estar-indignada-com-repercussao-de-ensaio-fotografico.html

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Diagrama de Nolan

"Não acredito que faça muito sentido tentar analisar a política do século 21 usando um modelo desenvolvido para descrever a organização dos assentos do Parlamento Francês de 220 anos atrás"
- David Nolan, ativista e cientista político

Texto do site diagramadenolan.com.br/
Como libertário, David Nolan, cientista político formado pelo Massachussetts Institute of Technology (MIT), acreditava que esse tipo de representação não era capaz de demonstrar a diversidade ideológica de forma eficiente. Pensou, então, em um novo modelo capaz de agregar mais posicionamentos e situar visualmente, de maneira detalhada, o pensamento de cada grande grupo político.

Link para fazer o teste e entender o seu posicionamento politico: http://www.diagramadenolan.com.br/

Aqui um link secundário, para o caso do site oficial não estar funcionando bem: http://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/eleicoes/2014/candibook//diagrama-de-nolan/

posicionamento politico

Há cinco resultados possíveis de acordo com as respostas dadas às perguntas, embora na verdade o que aconteça seja uma relação entre os principais itens que leva ao posicionamento, posições próximas podem aparecer com sutil diferença no gráfico.

Libertarianismo (favoráveis à liberdade nos dois campos)

Direita (defendem a não intervenção econômica e defende restrições em alguns temas morais)

Estatismo (favoráveis à restrição nos dois campos)

Esquerda (defendem restrições na economia e não intervenção em questões morais)

Centrismo (equilíbrio entre intervenção e liberação).

Veja o posicionamento dos candidatos ao cargo de deputado federal em 2014, segundo a Gazeta do Povo.
politicos brasileiros no diagrama de nolan

The monologue of Vickl and Billy

Nota do editor: O post está em inglês porque saiu da minha cabeça assim. Qualquer tradutor dá um jeito nisto, mas se procura significado, está no lugar errado, the crew doesn't care.
Fazem uns dez anos que eu não escrevo dessa maneira e não há garantias de que voltarei a faze-lo, então, enjoy! If you can.. I kinda know You will.
- Willyans


Billy: Oh hello Reasonable one, since when are you listening?

Vickl: Listening to what? You ain't said anything

Billy: Yeah, was just thinking, fortunately

Vickl: Thinking on what?

Billy: None of your business

Vickl: Long time you don't say that, you are not going to put us in trouble are you ?

Billy: Long time The Chief doesn't allow us to talk. I never put us in trouble.

Vickl: Should I do a list?

Billy: No, that time has gone.

Vickl: I hope so.

BIlly: You so passionate

Vickl: Passion is your department. I solve things

Billy: You could let me drive decisions

Vickl: For what? Creating more demands for me to solve.

Billy: Solving things is your department. I just help you see the unescapable truth you try to ignore

Vickl: What was you thinking about Emotion?

Billy: Doesn't matter, The Chief already knows

Vickl: Shit.

- Something is awakening.. The crew is chaos.

sexta-feira, 22 de abril de 2016

quarta-feira, 16 de março de 2016

Diálogo sobre drogas - Expandindo a partir do texto Maconha, Liberdade e Shakespeare

Nota do editor: Este texto utiliza o texto "Maconha, Liberdade e Shakespeare ou Porque eu apoio que maconha seja uma produto livre e legal" como base para o início de um dialogo acerca das drogas. Começamos incluindo meus comentários e contrapontos em cima do texto original, os próximos posts da série terão uma forma de diálogo mais livre.
- Willyans Maciel



V: Ao longo do tempo, conheci diversas pessoas que fizeram uso de maconha. Pessoas que vão de completos imbecis a gênios. Professores para dar aulas, amigos para ter bons momentos, estudantes para discutir, atletas para treinar ou comer mais ou sentir menos dor, escritores para escrever, músicos para tocar ou compor... mesmo doentes terminais (sugestão de filme invasões bárbaras, sushauhasu), pessoas esperando pela morte, que apenas querem aproveitar o momento, ter mais apetite, comer e se sentir melhor.
Essas pessoas não deveriam ser livres para isso? Elas realmente não podem ESCOLHER isso? E todos os povos indígenas e seus descendentes? Dentre tantos outros. Onde fica a liberdade cultural e religiosa?
Colocar esse tipo de pessoa na mão de traficantes é cruel.
Não é porque você pode ir comprar um maço de cigarros na banca da esquina que você, efetivamente, seja obrigado a ir lá, comprar e fumar! Não é porque você é livre para comprar alcool que você irá comprar dez garrafas de Jack Daniel's e beber tudo no mesmo dia. Não é porque (marca de fast food de sua preferencia) é gostoso que você irá comer cada refeição, a cada dia, lá (ou o suficiente pra ficar doente, sei lá...)
Sim, o excesso é ruim, todos sabemos disso. Mas só porque algo é legalizado é bom pra você?Todas as coisas legais são boas pra você?

Quantas coisas ilegais hoje, eram legais a poucos anos atrás? Quando eu cresci, minha casa tinha muitas armas. Daí, um dia, o governo proibiu as pessoas de terem armas. A violência foi nas nuvens. Nós não podemos nos defender. Precisamos esperar que alguém tome conta de nós. *Estado babá safardana!
O estado não é uma pessoa, pessoas precisam aprender a cuidar de si mesmas.

W: Outro erro é achar que existe um fundo moral na proibição. Em geral, governos e seus militantes sofrem de um mal crônico, o relativismo moral.
Algo é ruim e deve ser proibido, até que lhes traga benefícios.
É claro que há pessoas lá que tem seus princípios fortes, mas em geral, o governo opera de acordo com conveniências. Cada indivíduo precisa cuidar da própria vida e fazer suas próprias escolhas, porque amanhã o governo pode achar que maconha melhora a arrecadação e liberar, sem nem pensar no seu filho com o qual você ainda não conversou sobre vícios (alias, isto está quase acontecendo, right now).

V: Sobre maconha, algumas pessoas irão experimentar e deixar de lado, ou usar de uma forma inteligente, como Shakespeare. Ou não, podem ser idiotas, é uma decisão pessoal. Mas idiotas sempre existirão. E as drogas também.
Se você quer ser livre, você precisa permitir a liberdade do outro.
Se você conhece uma pessoa morrendo de câncer que quer fumar maconha, o que é melhor para essa pessoa ou para quem cuida dela: ir a uma farmácia ou coffeshop (google: "coffeshop amsterdam" oh yeah 3:) ) no seu quarteirão, ou ir a um lugar perigoso, com pessoas perigosas, em um ambiente violento e correr o risco de ser morto, ter o dinheiro roubado, se envolver em brigas ou pegar um "produto ruim".
Traficantes farão qualquer coisa para te colocar nas mãos deles. Farão todo tipo de mistura com a sua droga e podem te dar qualquer coisa. Nunca confie em traficantes, especialmente usuários. Eles tentarão muito induzi-lo a drogas pesadas, especialmente pelo lucro. E vão mentir pra você. E estou pegando leve aqui, porque esse não é o ponto.

W: Para quem acha que a proibição ajuda em algo (além dos números que qualquer um pode consultar pela internet), conheço pessoas que entraram na maconha pelo cigarro legalizado.
Porque o cigarro é legalizado e a maconha não? Se a maconha as vezes é a entrada para as drogas pesadas e o cigarro as vezes é a entrada para a maconha.
Além disso, em um ambiente sem a proibição e sem todo o mercado negro criado por ela, as pessoas se drogariam por escolha própria (como acontece com o cigarro). E se você quer se drogar, é problema seu.
Particularmente, eu acho que é uma atitude idiota, mas eu não tenho direito de te coagir a não fazer. E se eu não tenho esse direito, o estado também não pode ter.
E por isso nem me passa pela cabeça a ideia de proibir tudo. Açúcar vicia, sabia? Quer proibir o açúcar?
Não é culpa das drogas que as pessoas se viciam, é culpa das pessoas.

V: Venda "livre" -> cliente (decide livremente, é adulto e responde por si, o uso não irá causar danos maiores do que o álcool, por ex) -> menos violência -> menos usuários de drogas pesadas -> menos dinheiro para traficantes pequenos (sim, eles vão criar "novas coisas", mas vão perder 60% *esse numero é um óbvio chute* dos clientes regulares, pra quem vão oferecer amostras grátis? rs) -> menos traficantes -> mais empregos regulares (do cultivo ate a mão do vendedor, sem falar de burocratas, novas marcas que vão acabar surgindo, pesquisa, cosméticos - minha pele teve boas experiências, mas posso dizer não deixa ninguém doidão. INFELIZMENTE! kkkkkk... - Mas já existe e cresce uma indústria fantástica em torno disso ->; mais dinheiro = mais gente feliz.

EU não tenho que dizer o que é certo ou errado, por isso as pessoas gritam tanto sobre isso. Não importa se fumar maconha é "certo" ou "errado", tem muito mais coisas por trás disso e ser menos retrógrado nos juízos de valores é a melhor opção na saúde, na economia, na violência... Mas você precisará lidar com a possibilidade de que outras pessoas fumarem. Não é engraçado? Você precisará de argumentos para falar com as crianças, a população, você terá de ensinar e isso é difícil. Precisarão fazer mais pesquisas, e isso é difícil.

W: Precisamos acabar com a maior mentira que contamos ao jovens sobre as drogas: que elas matam.
Vamos encarar a verdade, há pessoas usando crack a anos, elas tem uma vida grotesca, mas não morreram.
O verdadeiro problema das drogas é que elas tiram a sua capacidade de decidir, lhe privam da autonomia.
Aquelas pessoas na crackolandia, elas não tem mais poder decisão, são escravos das drogas. E dificilmente sairão dessa situação.
Isso é o que temos que fazer o jovem entender.
Não se iludam com o discurso proibicionista. Para começar, sem a proibição muitos nem teriam chego no crack.

V: Nem todos são como Shakespeare quando fumam maconha... Shakespeare é menos gênio porque ele fumava? Ou se ele não fumasse ele nunca seria tão incrível? Eu não ligo!

#TheWarriorofFire: Maconha, Liberdade e Shakespeare ou Porque eu apoio que maconha seja um produto livre e legal

Nota do editor: Esse post faz parte da coluna The Warrior of Fire por Viviane Hermann. Foi originalmente publicado no blog TWoF, agora é republicado aqui no MEiOdeTuDO, para que possamos iniciar um diálogo sobre o tema.
O dialogo explorará questões como: o uso de drogas em si, moralidade e ética, o papel do estado, liberdade individual, problemas de ordem coletiva, responsabilidade dos pais e da família, entre outros temas. Acompanhe todos os posts desse diálogo pela tag Diálogo Drogas.
- Willyans Maciel

Ao longo do tempo, conheci diversas pessoas que fizeram uso de maconha. Pessoas que vão de completos imbecis a gênios. Professores para dar aulas, amigos para ter bons momentos, estudantes para discutir, atletas para treinar ou comer mais ou sentir menos dor, escritores para escrever, músicos para tocar ou compor... mesmo doentes terminais (sugestão de filme invasões bárbaras, sushauhasu), pessoas esperando pela morte, que apenas querem aproveitar o momento, ter mais apetite, comer e se sentir melhor.
Essas pessoas não deveriam ser livres para isso? Elas realmente não podem ESCOLHER isso? E todos os povos indígenas e seus descendentes? Dentre tantos outros. Onde fica a liberdade cultural e religiosa?
Colocar esse tipo de pessoa na mão de traficantes é cruel.
Não é porque você pode ir comprar um maço de cigarros na banca da esquina que você, efetivamente, seja obrigado a ir lá, comprar e fumar! Não é porque você é livre para comprar álcool que você irá comprar dez garrafas de Jack Daniel's e beber tudo no mesmo dia. Não é porque (marca de fast food de sua preferência) é gostoso que você irá comer cada refeição, a cada dia, lá (ou o suficiente pra ficar doente, sei lá...)
Sim, o excesso é ruim, todos sabemos disso. Mas só porque algo é legalizado é bom pra você?Todas as coisas legais são boas pra você?
Quantas coisas ilegais hoje, eram legais a poucos anos atrás? Quando eu cresci, minha casa tinha muitas armas. Daí, um dia, o governo proibiu as pessoas de terem armas. A violência foi nas nuvens. Nós não podemos nos defender. Precisamos esperar que alguém tome conta de nós. *Estado babá safardana!
O estado não é uma pessoa, pessoas precisam aprender a cuidar de si mesmas.
Sobre maconha, algumas pessoas irão experimentar e deixar de lado, ou usar de uma forma inteligente, como Shakespeare. Ou não, podem ser idiotas, é uma decisão pessoal. Mas idiotas sempre existirão. E as drogas também.
Se você quer ser livre, você precisa permitir a liberdade do outro. 
Se você conhece uma pessoa morrendo de câncer que quer fumar maconha, o que é melhor para essa pessoa ou para quem cuida dela: ir a uma farmácia ou coffeshop (google: "coffeshop Amsterdam" oh yeah 3:) ) no seu quarteirão, ou ir a um lugar perigoso, com pessoas perigosas, em um ambiente violento e correr o risco de ser morto, ter o dinheiro roubado, se envolver em brigas ou pegar um "produto ruim".
Traficantes farão qualquer coisa para te colocar nas mãos deles. Farão todo tipo de mistura com a sua droga e podem te dar qualquer coisa. Nunca confie em traficantes, especialmente usuários. Eles tentarão muito induzi-lo a drogas pesadas, especialmente pelo lucro. E vão mentir pra você. E estou pegando leve aqui, porque esse não é o ponto.
Venda "livre" > cliente (decide livremente, é adulto e responde por si, o uso não irá causar danos maiores do que o álcool, por ex) > menos violência > menos usuários de drogas pesadas > menos dinheiro para traficantes pequenos (sim, eles vão criar "novas coisas", mas vão perder 60% *esse numero é um óbvio chute* dos clientes regulares, pra quem vão oferecer amostras grátis? rs) > menos traficantes > mais empregos regulares (do cultivo ate a mão do vendedor, sem falar de burocratas, novas marcas que vão acabar surgindo, pesquisa, cosméticos - minha pele teve boas experiências, mas posso dizer não deixa ninguém doidão. INFELIZMENTE! kkkkkk... - Mas já existe e cresce uma indústria fantástica em torno disso > mais dinheiro = mais gente feliz.
EU não tenho que dizer o que é certo ou errado, por isso as pessoas gritam tanto sobre isso. Não importa se fumar maconha é "certo" ou "errado", tem muito mais coisas por trás disso e ser menos retrógrado nos juízos de valores é a melhor opção na saúde, na economia, na violência... Mas você precisará lidar com a possibilidade de que outras pessoas fumarem. Não é engraçado? Você precisará de argumentos para falar com as crianças, a população, você terá de ensinar e isso é difícil. Precisarão fazer mais pesquisas, e isso é difícil.
Nem todos são como Shakespeare quando fumam maconha... Shakespeare é menos gênio porque ele fumava? Ou se ele não fumasse ele nunca seria tão incrível? Eu não ligo!
Eu ligo que ele fez algo que ninguém mais fez. A vida pessoal dele não altera meus sentimentos pelas suas palavras.

V. do TWoF